• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Secretaria de Combate ao Racismo da CUT-PB convoca vigília em frente ao Carrefour

O ato será simbólico em alusão ao sétimo dia de morte de Beto Freitas. A vigília acontece nesta sexta-feira (27) às 17h na loja do bairro dos Bancários, em João Pessoa

Publicado: 27 Novembro, 2020 - 12h44

Escrito por: Ascom CUT-PB

Divulgação CUT
notice
A atividade de hoje faz parte de uma agenda nacional da CUT.

A Secretaria de Combate ao Racismo da Central Única dos Trabalhadores da Paraíba (CUT-PB) juntamente com a Marcha da Negritude Unificada da Paraíba fará uma vigília nesta sexta-feira (27), às 17h em frente ao Carrefour do bairro dos Bancários, em João Pessoa. O ato será para simbolizar o sétimo dia da morte de Beto Freitas.

De acordo com o Clodoaldo Gomes, secretário de Combate ao Racismo da CUT-PB, a atividade de hoje faz parte de uma agenda nacional da CUT com o Movimento Negro dos estados do Brasil para dar continuidade a campanha contra o racismo. “A ideia é defender esta luta. Ontem o Carrefour fechou as portas no país inteiro, o presidente internacional se pronunciou reconhecendo o caso de racismo e disse que tomará providências, hoje eles já reabriram. As declarações bonitas de executivos não resolvem o problema de racismo que enfrentamos no país e não vai resolver enquanto eles continuarem com a mesma política de segurança racista”, afirmou.

Ainda de acordo com o secretário, o ato será simbólico e silencioso. Velas e cartazes serão colocados em frente à loja. “Vamos continuar vigilantes e não vamos descansar até que seja feita a justiça”, concluiu o secretário.

Relembre o caso

No dia 19 de novembro, no estacionamento do Carrefour de Porto Alegre, João Alberto Silveira Freiras, de 40 anos, foi brutalmente assassinado por dois seguranças do supermercado. Vídeos que circularam nas redes sociais mostraram cinco minutos de espancamento, através de socos e pontapés contra o homem negro, por parte doe dois seguranças brancos. Testemunhas nada fizeram para defender o homem.

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado mas o homem morreu no local. Os dois seguranças que assassinaram João Alberto foram presos em flagrante. Um deles é policial militar e foi encaminhado para um presídio da corporação.